terça-feira, julho 03, 2007




diante dos olhos ía dizer dizer dizer. contemplar. esmagar o retrato do instante.
de todos os instantes.
torcer no corpo o golpe entusiasmado no repouso da luz.
a música.
esfarrapar a névoa. amortecer o tango.
com os olhos rasos de qualquer coisa a saber a futuro.
________________________

são notas as palavras. compassos musicais explícitos e infinitos. e de sete notas musicais se fazem as sinfonias. os acordes das palavras rasgam os silêncios. e são esses que envolvem. que cercam. que arranham. que amarram. que soltam. e é essa a verdade da palavra. e é ela livre. livre. livre. de contornar afectos. de estupidamente livre se deixar levar pelo ritmo. pela mão. pela pena no tinteiro. pelo espaço na boca. de todas as palavras me aqueço. ainda que a pouca confiança de algumas me faça pensar que não são livres. mas são-no, seguramente. e definitivamente envolvidas pela magia do som. do aperto na mão. no segredo da cor. e pintamos a alegria da vida na certeza do salto. no alto de nós. e da nossa pequenez. e com palavras vamos chamando nomes às coisas. quando o que pretendemos é só dizer que estamos vivos e sentimos.
_______________________________

24 comentários:

António Pires disse...

Bandida:

Um outro tango (mas a não perder de maneira nenhuma!): Bajofondo Tango Club no Garage, esta semana. E, sim, essa cena do «Perfume de Mulher» é arrepiantemente bela (por tudo: a música, a interpretação de Pacino, a beleza da menina...).

Beijo B.

A.

bitter-sweet disse...

E com os lábios tacteados a saborear o presente.

canela disse...

"...saber a futuro"...
esse sabor agridoce que convida ao sonho..
Beijos Loba__________

Mel de Carvalho disse...

Qualquer coisa que seja
passado_________
____ presente_____
_______________futuro

de um tempo, introspectivo, ao ritmo "lento" de um tango. no tacteio (im)perfeito. no toque (in)sano. quiçá sacro, quiçá profano.

Bjs, Bandida
Mel
www.noitedemel.blogs.sapo.pt
www.maresiademel.blogs.sapo.pt

merdinhas disse...

Tango?
Deixo um "abrazo" e um "giro"...

cm disse...

e quando damos nomes ás coisas ...e desse nomes fazemos o mundo que expresamos, é um pedaço de nós que se torna parte do mundo...um abraço

Kokas disse...

Vamos chamando nomes às coisas para dizer que estamos vivos! Que ideia brutal. É só para isso que cá estamos, dar nomes às coisas!

Aquele beijinho

M disse...

lindíssimo o tango do Pacino, Bandida. Um daqueles momentos que me (nos) fazem amar o cinema.
Pensei, pensei e acho que é memso Bandida, não pelo signiifcado, mas pelo som rolado e consistente.
Beijo

as velas ardem ate ao fim disse...

Um post brutal.Viver apenas para nomear.Talvez..

Aceito uma mão..

Bjinho com saudade

teresamaremar disse...

Não estou muito inspirada para comentar, apenas para te dizer que adorei as palavras e o excerto.
Vou guardá-las.

Post tão mas tão bonito!

Beijo grande

Arion disse...

Olha que gostei mesmo disto. Acho que entendo. Se não entendi, olha, fica a minha sincera amizade! Beijo!

St. J. disse...

há coisas que se dizem em momentos divinos, em quase puro êxtase - tipo, «ai Jesus, tenho aqui um macaquinho», e eu, «tá bom qrida, mas deixa-me responder à didinha» -, e há outras (coisas) que nem se percebem, mas que saem do coração e soam estranhas, entranhas, lindas e tórridas (não era bem isto que tinha pensado escrever...)

Atalhando razões, as palavras servem para te dizer que és FANTÁSTICA, Didinha.

BeijoSSSS MeuSSSS e dela... (diz a outr.a, torrãozinho doce.doce e meu.)

Alien8 disse...

Belíssimo texto. E "it takes two to tango"... ou não?

Um beijo.

intruso disse...

estamos vivos e sentimos...

(ser livre?
difícil...)



"tangar" por aí.....................



:)

beijos

canela disse...

Sim...estamos vivos e sentimos...e são livres as palavras...os acordes...os sons que violam os silêncios...que devassam os futuros.que preenchem os vazios dos afectos.mas.há o outro lado.sempre. dos sons que dançam, envolvem, criam laços.abraçam.são colo. o futuro é teu. é meu. é nosso. naquilo em que somos inteiras.em tangos que não são tangas
Beijo*** com aroma a canela

musqueteira disse...

...o que fazem as cores invisíveis. não se pinta a cor...e apenas se sente a textura de cada pigmento. são poucos os que a sabem sentir.
um beijo bandida:)

A.S. disse...

"esfarrapar a névoa. amortecer o tango.
com os olhos rasos de qualquer coisa a saber a futuro."

Deixar que o corpo sinta a melodia ao ritmo das sensações que ainda vão acontecer...


Um beijo!

St. J. disse...

Um dia destes ainda vou aprender a dançar tango à séria. Devia fazer parte da formação básica das pessoas..! Assim como tirar a 4ª classe.

E Vivó Tango..!!

Feronica disse...

Não me parece que vivamos para nomear, antes nomeamos para viver, ou melhor para conviver. É através do estabelecimento de convenções (mesmo que fonéticas, sintáticas ou semânticas)que se instala a ordem, que regiulamos o nosso entendimento do mundo e so que nos rodeia. Uma cadeira é uma cadeira e não aquilo que cada um quiser chamar-lhe, só assim todos sabemso do que falamos quando se evoca o nome do objecto do discurso. Nomear é uma acto disciplinador. Os simbolos e os signos, esses remetem para conceitos ou representações e ao contrário do acto de nomear, não pretendem estabelecer uma ligação inequivoca entre significante e significado. São evocações, e eu, se tiver de escolher entra as duas, prefiro viver para evocar.
Mas tudo isto não passa de palavras, e pontos de vista. Nomeações e evocações.
beijos

Bárbara disse...

quis deixar-te um comentário no bandida mas não consegui; desconfio que tenho o pc minado por espiões ou ãs e virulentos vírus.
o que eu queria deixar era uma citação de mestre almada negreiros:
«Nós não somos do século de inventar as palavras. As palavras já foram inventadas. Nós somos do século de inventar outra vez as palavras que já foram inventadas.»
Mas (e agora digo eu), o que é inventar? não nos plagiamos nós diariamente para de novo nos reinventarmos????

Cometa 2000 disse...

Excelente post! Fiquei a pensar...

Mar Arável disse...

É PRECISO DAR NOME ÀS COISAS PARA QUE AS PALAVRAS TENHAM MEMÓRIA - OU APENAS NÓS DE NÓS

D. Maria e o Coelhinho disse...

NA NOITE PASSADA APARECEU-ME

O(A) FANTASMA

DA FRUTA

QUE PERSEGUE O COELHINHO.
QUE HORROR!

D. MARIA

isabel victor disse...

Belíssimo !

b*