sexta-feira, dezembro 15, 2006




no orvalho morno.

és.

abelha selvagem na fúria do mel.

alheia ao silêncio
das asas dos anjos.

quente.





17 comentários:

lampâda mervelha disse...

de tão curtas que parecem tudo
tudo mesmo.



palavras que sao

Anónimo disse...

É tão bonito ler-te sentir

St. J. disse...

sim, é quente.
adoravelmente quente.
;)

bettips disse...

Andava com saudades da tua vagabundagem, palavres com cores e sons. Abç

Naeno disse...

Lindo o teu poema curto e todo.
A abelha tem esse poder de encantar a todos. Às vezes nos confndimos que o mel que ela produz não se destina a ela mas a nós.

Um beijo

Naeno

teresamaremar disse...

Obrigada pela passagem pelo horas-de-deshoras :) Já vi que estes textos são seus. Parabens por eles e pelas imagens associadas! Abraço.

teresamaremar disse...

Presumo que o comentário que o comentário que aqui deixei não entrou. Para agradecer a passagem pelo horas-e-deshoras, e "parabenizar" pelos textos que aqui li, bem como a sua relação com as imagens para eles escolhidas.
Abraço.

Mendes Ferreira disse...

do mel dos anjos. a flor.

do bem ou do mal.aflorar.


ou nem tanto.

portanto.
por tanto.


serena. serenamente.


ou...?

no seu contrário.,




beijo.


Bandida.

Menina_marota disse...

Na pureza do mel, os teus sentidos...

Gostei.

Um abraço carinhoso e FELIZ NATAL

Louco de Lisboa disse...

Quente...?






Pode ser Cacau




£oµ¢o Ðe £Î§ßoa
_______________

Lis disse...

Ousadia!:-)

Lis disse...

Oito dias...mais oito ...

Cadeiradopoder disse...

De profundis escuto.

intruso disse...

quentes
as palavras
a imagem
as imagens nas palavras
...

quente!

Diva disse...

Diva tem pavor de abelhas...
Mais, é alérgica!

:(

Anónimo disse...

É a labuta pela felicidade.

beijo

Frioleiras disse...

Linda ... de morrer !