sábado, fevereiro 10, 2007





...

A rádio e os teus discos. Ensinavas-me a ouvir. E eu por aí à espera do presente.
Nas noites frias – Frio?! Que disparate! E a mala de viagem?
Os teus olhos amarelos da icterícia na música que te passeava pelos dedos magros, secos, à flor da pele. Nunca me contaste a história.
Afinal, não havia nada mais importante que o São Carlos e as noites de ópera. Histórias cantadas que mal percebia e tu insistias. Ouve, ouve – espera mais um pouco. Não vás ainda que a escuridão mete medo. E eu ía. A ópera ali tão perto e a história tão diferente.
- Essa compressa está mal presa. Deve doer o adesivo.
A lua transbordava luz. o chão verde. a pele amarela.
– Dê-me essa tesoura que eu aparo a barba.
Tenho uma palavra a sair-me pela garganta e nem estou em mim.
Longe. Decididamente longe num campo de girassóis a decidir-me pelo vento. Que a insónia é mais leve se de moscas se levantar a poeira de um véu imundo de gafanhotos esborrachados na parede da casa.

...

13 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

a diferença de se crescer... com os olhos dentro da alma e a memória do que não dissemos mas sentimos....


a morte só existe quando existe esquecimento.



e Tu não O esqueceste.



______________
o vento espalha as pétalas pela casa do amor.


______________

Beijo.

isabel disse...

morte
icterícia
também tu?

bom fim de semana b
bbeijinhos

Anónimo disse...

divino.




divinalmente.




(a moeda do tempo)




b de belo (como tu dirias...)







boa noite B.




I.

intruso disse...

o longe
é difícil, é incompreensível...



aBraço forte

intruso disse...

eu,
nós,

aqui...
perto.



aBraço

merdinhas disse...

uma campo de girassóis...vento....


lembro-me de girassóis desgrenhados...

pintados.

teresamaremar disse...

(re)escutei...

entendo o depois da página em branco...
Um pequeno mais e era excesso

Sei de quem partilha desta insónia

tremenda a memória que nos não abandona
e as insónias, de novo, que teimam acompanhá-la


E tu transbordando luz...


beijo

amf disse...

parabén por este texto. virei mais vezes.

alice disse...

"tenho uma palavra a sair-me ... e nem estou em mim". pronto. tudo dito. bom domingo, bandida. e muito obrigada por tudo. mesmo. beijinho muito grande. muito ;)*

hfm disse...

do tempo
da memória

isabel victor disse...

********** bjs

designios disse...

E se viesses tomar chá comigo, na minha nova casa, a Horas.
Cuidado com esse casaco novo que te vai fantástico, a casa está pintada de fresco.
Beijo :)

Anónimo disse...

Olá, boa noite! gostava de a conhecer, sabe porquê?! porque tem Grande sensibilidade e muito Bom gosto..Parabêns!
Um abraço