domingo, março 11, 2007




parto a preto e branco. e a mão treme de silêncios.
pulsos. um cigarro aceso entre os dedos.
na boca um perfume. quente. o silêncio longo
da falésia onde salta o meu desejo.
o medo. e o abismo já aqui. em frente.
no outro lado de ti. na carruagem do canto.

nosso.




________________________

Photos by Gerald Förster - Light Years Project
______________________________________

9 comentários:

bettips disse...

Olhos que prometem voltar. No combóio do tempo. Bjinho

A. disse...

volta sim

...a mesma mulher, que caminha de um lado para o outro, está de novo na varanda. e com um cigarro aceso entre os dedos, esfumaça a minha visão agora desperta. permanece.

...










(...só queria dizer que gostei tanto.passarihno.sempre B.e porque não...???? por favor.permanece.)
:)

ASTI disse...

não tive medo, na falésia, pois sentia a tua mão na minha; por isso... parto sem dor
:-)

isabel mendes ferreira disse...

beijo de bom domingo!!!!!!!!!
______________________





e o comboio parte. e vem. e chega....


_____________________.

ASTI disse...

Thou art...
you are good enough...

isabel mendes ferreira disse...

a preto e branco


de branco em branco....



o texto.


tudo projectável....


B de Belo.

Abssinto disse...

Com a tua escrita vem sempre a média luz, o whisky e o fumo dos cigarros. Uma boa conversa e o fundo sonoro que se impõe... É como te leio e te gosto, lupina B. amiga.

bj

Ida disse...

Querida Bandida, de olhos sempre inquietos e cheios de algo mais do que a vida que está por trás,

aqui os termômetros batem os 30C às 9 da noite... uma banheira de gelo pode ser tudo que um vivente aspira.

Beijos, do sul

alice disse...

nenhum abismo há-de sorver o dom da mão que escreve estas palavras e os olhos que cobrem as imagens *