domingo, julho 29, 2007






always look on the bright side of life

...

32 comentários:

C. disse...

Tão de riso e de sorriso apetecido! encantadores esses mocitos pregados na cruz a cantar sobre o lado ensolarado da vida com a ironia e o humor tão raros de encontrar. uma espécie de sunny side of the street, agora aqui, pregado na via virtual em registo terrivelmente abanditado. Sua Bandida! :)))))

Têm umas férias excelentes. Saudades. Beijos.

C. disse...

"Tem" umas férias excelentes, queria eu dizer.

:)

M disse...

Always, bandida, mas muito always!
Beijos

nós disse...

sempre

ty.beijo.lov u

Arion disse...

O que eu adoro este filme! A Vida de Bryan é, desde há anos, o filme de Natal cá de casa, quando convido os do costume para comer os restos das consoadas em família. Diverte-te, e leva-me contigo num cantinho pequenino.

D. Maria e o Coelhinho disse...

I wonder where is the bright side of my life!...


Coelhinho

Ferónica disse...

Gosto realmente de Monty Python e gostei de rever este pedacinho da vida de bryan. O lobo, esse é ... fantástico.
De partida para férias? Que sejam fantásticas.
Ferónica

tolilo disse...

THINKING ON THE BRIGTT SIDE OF THE LIFE:
I LOVE LIFE, I LOVE PINK,
MY NAME IS TOLILO.

hfm disse...

o pior são as sombras que nos distraem... ;)

herético disse...

..."ou quem não quer ser lobo
não lhe veste a pele"

herético disse...

..."ou quem não quer ser lobo
não lhe veste a pele"

Anonyma disse...

Fabuloso!
A ironia no seu melhor.
Devia ter carácter obrigatório...

merdinhas disse...

De férias?

Por aqui quase.

Escasseiam as visitas mas vou passando. Desta vez para ver Monty Python.

merdinhas disse...

Hoje morreu Bergman.
Custou-me.

jorge vicente disse...

uma das minhas comédias favolitas, só pala cital o glande poncio pilatos! uma referência.

espero que esteja tudo bem consigo

um beijinho
jorge

triliti star disse...

fabulosos, como sempre

Secreta disse...

Nem sempre é fácil ...
Beijito.

António Pires disse...

Tem umas boas férias, Bandida!!!

E um beijo B.

A.

Teresa Duraes disse...

pelo menos no lado irónico da vida

Frioleiras disse...

Bandida,

a exposição que inaugurou hoje no
MNAA
sobre

O TAPETE ORIENTAL EM PORTUGAL: Tapete e Pintura – séculos XVI a XIII.

A NÃO PERDER!
ABSOLUTAMENTE !

isabel victor disse...

Boas férias ...

Boa escolha :))

Letras de Babel disse...

rir a bom rir com os monty python, sempre :)


beijos

pedro paixão disse...

A luva sem par

Se as mesas das janelas estão ocupadas procura sentar-se numa das mais próximas das janelas, numa cadeira virada para as janelas. Se todas elas estiverem ocupadas sai, dá uma volta devagar a toda a volta da rotunda e regressa mais tarde. Ou então entra no supermercado, faz as compras que tem a fazer e vai para casa. Não tem pressa em ver Ingmar. Basta-lhe a possibilidade de o ver. O melhor talvez seja mesmo nunca o chegar a ver, que nunca se realize essa possibilidade, que ela fique para sempre onde moram os sonhos. Por isso vem todos os dias aqui, à Oskars Konditoriet, a uma dúzia de metros de Karlaplan, nesta cidade feita de ilhas.

Lá fora estão menos dez graus e a cidade asfixiada pela neve.

Tem a cabeça cheia de frases. Joga com as frases como quem joga com pedras. Não diz nenhuma. Não escreve nenhuma. “Estou a tornar-me invisível e não posso salvar ninguém”. “Como poderei encontrar-me e ter a certeza de que sou eu?”. “Chegará o dia em que se possa explicar o amor?”. Parecem-lhe inúteis as frases.

Entretanto repara numa rapariga do outro lado da sala com uma rosa vermelha no cabelo e dois pacotes de cigarros em cima da mesa. A rapariga bebe chocolate quente e fuma como se estivesse à espera de alguém que demora em chegar. Ao olhá-la assim intensamente sente um peso por cima do coração, a angústia dela, a dúvida dela. Lembra-se de ter sido assim, de rosas vermelhas deitadas ao chão. E, de repente, tudo se transforma num quadro, só que em movimento lento, numa mesma expectativa. A rapariga com a rosa vermelha no cabelo agarra nos dois pacotes de cigarros, levanta-se, veste o casaco comprido, põe o cachecol, calça as luvas e parte.

Não lhe foi difícil saber que Ingmar vive ali. Soube-o quase logo. Na lista telefónica só constam duas pessoas com o mesmo nome. Tinha também lido que Ingmar escolhera viver num apartamento do novo edifício que construíram no exacto local onde antes vivera Strindberg. Um crime terem deixado destruir a casa onde viveu aquele génio, responderam-lhe uma vez quando quis ter a certeza. E depois o senhorio. O senhorio da casa onde ela vive já viu Ingmar duas vezes por ali. Uma delas quase o ia atropelando com a bicicleta. O senhorio disse-lhe que Ingmar estava com ar de velho, que tremia, que todo o seu corpo tremia como acontece aos velhos. Não lhe foi, portanto, difícil saber que Ingmar vive num apartamento do número 10 de Karlaplan, uma zona nobre da cidade, quando não está na casa que tem numa das ilhas do arquipélago. Vinte e sete mil ilhas, leu em vários sítios, embora sempre lhe parecesse um exagero.

Ela vinha de bicicleta até lhe roubarem a bicicleta. Achou estranho terem-lhe roubado a bicicleta. Agora vem a pé ou de autocarro. Não pretende ter outra bicicleta. Gostava mais da sua.

A besta, o demónio ou a noite, é assim que ela chama a uma tristeza muito funda como se tivesse a dor do mundo dentro de si, anda por agora adormecida. Mas ela sabe que está dentro dela, que se alimenta dela naquele silencioso sossego. Mais tarde ou mais cedo voltará, maior que nunca. Talvez então já tenha encontrado Ingmar, dito o que lhe tem a dizer, feito o que tem a fazer. Talvez então já saiba o que a trouxe até ali. Mas quando pensa nisso fica confusa. Quando Ingmar descer do seu apartamento e passar diante de uma das janelas da Oskars Konditoriet, se por acaso Ingmar, ele próprio, entrar na Oskars Konditoriet, o que fará ela exactamente? Pensa nisso sem pretender chegar a qualquer conclusão. Podem acontecer muitas coisas, diz para si, e pode não acontecer nada. Como dizer, sem o trair, o amor que se sente por uma pessoa?

Nem era preciso que fosse Ingmar. Primeiro foi um passatempo com qualquer coisa de engraçado e infantil. Agora é quase uma peregrinação, uma cerimónia, uma necessidade. Ao ponto a que as coisa chegaram dentro de mim, um fantasma é suficiente para me orientar os dias, pensa ela. E também não é que venha sempre. Por vezes, como ontem, uma tempestade de neve impediu que viesse. Uma tempestade de neve faz muito medo. O vento a soprar com força por dentro da chaminé do quarto, a neve a desenhar o vento na noite. Ou então vai para um lado completamente diferente da cidade atravessando as pontes que unem as ilhas como peças de um puzzle.

Ontem ficou sentada no banco de cozinha a ver crianças a brincarem na neve. Duas tinham trenós com volantes vermelhos. Subiam e desciam uma pequena montanha de neve. Eram quatro da tarde, fazia noite. Do chão vinha um halo azulado onde pequenas estrelas se acendiam e se apagavam. Em redor das ilhas patos persistiam em nadar por entre o gelo de um mar escuro, sem onda alguma. O senhorio chegou cedo. Convidou-a para jantar. Fez uma espécie de sopa de peixe que comeram frente a frente com duas velas acesas no bordo da janela. Trocaram algumas palavras. E depois ele lavou a loiça impecavelmente e foi deitar-se. Ela admira a maneira como o senhorio enxuga a louça, colhendo depois qualquer gota de água que tenha caído sobre o lava-loiças. O senhorio tanto lhe parece um cão como um ser humano. Hesita. Será melhor ser um cão ou um humano?

A princípio foi difícil habituar-se às horas. Julgar que são meia noite e descobrir que são sete da tarde. Arranjar alguma coisa para fazer. Cozer as bainhas de umas calças.

Ingmar é um qualquer. Um pretexto que a faz sonhar, levantar-se, pôr os chinelos, beber chá e comer torradas com manteiga e mel. Não foi por Ingmar que veio. Ingmar pode morrer de um dia para o outro. Logo o saberia através do jornal que o senhorio deixa na mesa da cozinha. Deixa-o lá todos os dias de manhã. Ele sai muito cedo. Ela não sabe o que ele faz. Ela não consegue decifrar aquela língua. Mas o jornal traz fotografias. Ela fica a olhar para as fotografias e escolhe uma ou outra que a acompanha durante o dia. Fotografias do horror do mundo. Da guerra. Da catástrofe. Numa delas uma família foge depois de ter assaltado um supermercado. O homem leva uma parte de um animal ensanguentado debaixo do braço. Olha para a câmara com um ar enraivecido. Uma mulher e duas crianças seguem-no.

Ela aprecia e admira a civilização daquele povo. O silêncio, o arrumo, a educação nas pequenas coisas. Por vezes vai a uma sauna na parte velha da cidade. Gosta de ficar a olhar as formas das pessoas a desfazerem-se por entre o espesso vapor de água, como uma miragem, e o som do chapinhar na água da piscina. Alguns velhos jogam xadrez a um canto. Outros falam muito baixo aquela língua cantada, incompreensível. Raramente se sente sozinha. A meio da tarde adormece uns minutos e depois escreve uma carta ou abre um livro que lê demasiado devagar e sublinha com um lápis azul e espera que o dia passe para que no outro dia possa ir esperar Ingmar, Ingmar Bergman. Difícil dizer porquê. Desde sempre. Perguntar-lhe se acredita no amor? O que é o amor?

Depois regressará ao sul, a casa.

Frioleiras disse...

CARTA ABERTA DE APOIO A DALILA RODRIGUES

(http://www.petitiononline.com/mod_perl/signed.cgi?Dalila&1)

merdinhas disse...

férias....que sejam umas boas férias...

♥≈Nღdir≈♥ disse...

....oooO
....(....)... Oooo
.....)../. ...(....)
....(_/.......)../
..............(_/
....oooO
....(....)... Oooo
.....)../. ...(....)
....(_/.......)../
..............(_/
...... Passei por aqui
BEIJOS

Frioleiras disse...

Bandida... Cheira que este blogue já não é o teu...
Que se passa?

as velas ardem ate ao fim disse...

Sempre!

bjinhos B

Mary Lamb disse...

Mah nada!

bettips disse...

Por vezes, saudades de ir espreitar tertúlias e risos, olhos claros calmos, olhos escuros inquietos. E então passar aqui, ver os british a rir com nada, nonsense com um peixe, ou uma farda (os que tive a felicidade de ver "lá" nos inícios de 70). Com eles sim, o bright side of the moon é mesmo alegre. Ah...e desculpa o inglesismo, sai assim mas é porque sai. Adoro o português.
Se férias, que sejam BELAS.
Abraço

Efemerum disse...

vim saber do teu retorno...


continuarei à espera.


o abraço apertado e continuação de umas boas férias.

Rosario Andrade disse...

Absolutamente genial, o filme todo.
Bjicos