quarta-feira, janeiro 21, 2009

o ciclo do medo 1









uma pata a dormir de frente com a anca a ensaiar a cama.


[diz-se que sofreu queimaduras negras na omoplata]



1] a liberdade é uma trela

2] a poesia é uma venda ambulante



[diz-se que é uma imagem sem cabeça]







24 comentários:

hfm disse...

dum surrealismo contemporâneo!

pn disse...

a liberdade é uma trela

e trair é sair da fila

ou roer a trela?

(há umas roulotes muito giras e facilitadoras; fazem-se frangos no espeto e embrulham-se em sonetos da florbela...)

bisou, Senhora Bandida
(já estás no top ten?)
...

Graça Pires disse...

A poesia é uma venda ambulante. Concordo. Nunca deixariam que ela se instalasse comercialmente...
Quanto à liberdade: quem a tem chama-lhe sua, como diz a cantiga.
Um beijo minha amiga.

_trickster_ disse...

a liberdade é uma trela
a família uma arma

neste desalinho palavras espreitam sossegadas até que se acendam

mais uma vez

Paulo T Pires disse...

sempre muito "gráfico"...
beijo

heretico disse...

"poesia liberdade livre"!... não transijo... rss

admirável o teu talento de "subversão". poética.

beijo

Arion disse...

Gosto! :)

intruso disse...

;)


a liberdade é mesmo uma trela

e a poesia não podia ser mais venda ambulante...


[imagem com cabeça, com muitas cabeças...]



beijo

delicioso post!

audrey disse...

a liberdade...........
não existe.

não existe mesmo...
há sempre a trela do
medo !

jorge vicente disse...

diz-se que a poesia é uma imagem sem trela.

ou a ideia transfigurada no pranto cosmológico. o olho.

um grande beijinho
jorge

take.it.isa disse...

Não sei porquê, lembrei-me de Jorge Palma!

E de ti, saudades!

Vergilio Torres disse...

"A vida em liberdade é uma prisão de sentidos"

ana salomé disse...

algumas problematizações poéticas que nos levariam a nova troca de sms com contos infantis para adultos, com certeza. desta feita, talvez o da bela adormecida ou o do cavaleiro sem cabeça. talvez. :)

lindo e revigorante, maria.*

beijo grande

Laureen Ginger Carole Katherine Anita Sofia Grace disse...

esta liberdade que nos vendem é mas é uma treta; se calhar é-se mais livre dentro do papel predestinado




[estou mais ou menos assim "uma pata a dormir de frente com a anca a ensaiar a cama"- as emoções são uma trela]

ângela marques disse...

Este texto é-me inquietante, deixa-me a respiração suspensa...

ângela marques disse...

Este texto é-me inquietante, deixa-me a respiração suspensa...

ângela marques disse...

Este texto é-me inquietante, deixa-me a respiração suspensa...

pn disse...

Senhora Bandida, tu que moras em rua de nome importante, re-envia-me endereço para ...

Haddock disse...

pahh, afasta de mim esse cálice!
um quadro apócrifo de um canídeo que nos fez a cama e nos lambe a bochecha...
a liberdade é uma coroa de espinhos
e a poesia o nosso calvário.


(diz-se que é via crucis do absurdo)

A. disse...

muito bom!

isabel victor disse...

“A poesia é o inutensílio. A única razão de ser da poesia é que ela faz parte daquelas coisas inúteis da vida que não precisam de justificativa. Porque elas são a própria razão de ser da vida. Querer que a poesia tenha um porquê, querer que a poesia esteja a serviço de alguma coisa é a mesma coisa que querer que o orgasmo tenha um porquê, que a amizade e o afeto tenham um porquê. A poesia faz parte daquelas coisas que não precisam de um porquê.” (Paulo Leminski)



_____________
um beijo, porque sim !


iv

Frioleiras disse...

lucidamente angustiante.......


da imagem ao verbo.


do branco
ao preto................


(Gostei de te re-
ver !
bj)

merdinhas disse...

vim visitar o começo do ciclo e assisti à decapitação da liberdade
(da pesia?)

isabel victor disse...

Belíssimas imagens !




iv*