domingo, novembro 26, 2006

NuncaEstiveTãoSóDizOMeuCorpo



Tantos pintores

A realidade comovida agradece
mas fica no mesmo sítio
(daqui ninguém me tira)
chamado paisagem

Tantos escritores

A realidade comovida agradece
E continua a fazer o seu frio
Sobre bairros inteiros, na cidade, e algures

Tantos mortos no rio

A realidade comovida agradece
porque sabe que foi por ela o sacrifício
mas não agradece muito

Ela sabe que os pintores
os escritores
e quem morre
não gosta da realidade
querem-na para um bocado
não se lhe chegam muito pode sufocar

Só o velho moinho do acordeon da esquina
rodado a manivela de trabuqueta
sem mesura sem fim e sem verdade
dá voltas à solidão da realidade


Mário Cesariny de Vasconcelos

18 comentários:

-pirata-vermelho- disse...

Grande homobra! É inegável... (passem os detractores!)

Não consigo lembrar o Cesariny sem saltar para o Pacheco! Como duas faces de uma moeda qualquer, digamos...

-pirata-vermelho- disse...

morreu o Cesariny.
Morreu o Cesariny?

Anónimo disse...

enquanto existir a obra, enquanto a nossa memória o pensar, o artista jamais morrerá.



Obg pela visita!!

Um abraço

aldina disse...

Que saudades!...

Até sempre!

as velas ardem ate ao fim disse...

Estamos mais pobres.

Boa semana.

Bjinhos

Andreia do Flautim disse...

Os artistas não morrem, ficam para sempre recordados na sua obra.

merdinhas disse...

RTP 2 hoje...11h15 ou 11h 30...


Cesariny ...

Bandida disse...

"amor...liberdade...poesia"



Mário Cesariny

Anónimo disse...

Gosto de Cesariny. Beijo!

Anónimo disse...

Agora soube que morreu... :(

contra-luz disse...

sempre.

holeart disse...

bonito...

..levou a vida aos saltos.

Secreta disse...

Bela homenagem.
Deixo um beijito.

Mar da Lua disse...

O teu post, o meu e o de outros são a prova de que não morreu coisa nenhuma. Escreveu pela última vez é certo...mas aqui permanece vivo e intocável com o lugar de sempre!

Isabel disse...

Ele partiu e levou um pouco de mim. Altruista levou um pouco de mi e deixou tanto dele.
Ofereco-lhe uma lágrima, um sorriso e uma modesta homenagem, lá no meu sitio, de outra forma ele não gostaria.

Linda a tua homenagem.

Ele foi e eu nós ficamos.
Ficou connosco a saudade.

Até já Isabel

Anónimo disse...

Eu como realidade comovida agradeço a Mário Cesariny por me ter dado a conhecer o outro lado da escrita.

Frioleiras disse...

Tdsm, tds com Cesariny !!!!!!!!!

Stranger... `a la carte (StraLaC) disse...

...se nao te importares, voltarei aqui com frequencia!

Ele nao morreu, apenas se adiantou...