sábado, setembro 22, 2007





ecos do olfacto

mãe






.

.

26 comentários:

Lis disse...

Ecos que ficam ad eternum...

isabel disse...

laca
perfume
a pele

ainda em mim

e nas roupas. nas tais.

blue disse...

a melancolia. não sei se por causa das palavras, do satie ou das imagens.

Ana Paula disse...

Esta música é maravilhosa...! Adoro! :)
As imagens...muito especiais...

Tenho andado cheia de trabalho. Por isso, meio desaparecida...até daqui...
Mas vou reaparecendo... :)
Beijinhos amigos! Até breve.

triliti star disse...

o calor nas imagens,
satie a suavidade

desejar continuar a ver e a escutar...

hfm disse...

Todos os ecos do nosso túnel. Belo.

teresamaremar disse...

Podemos despojar-nos de muito, excepto da luz que nos guia e do eco que nos sussurra.

Resto de bom domingo.

Aquele beijo.

Rui Caetano disse...

As imagens são interessantes. Gosto da palavra "ecos", reflectem o retinir do som das nossas palavras e dos nossos dizeres.

Gi disse...

belo
belo e nostálgico
quase triste
não é o presente qeu se faz passado. É o passado que torna demasiado presente.

Beijo

Efemerum disse...

que bom foi ouvir de ti...
aqueceste-me o peito.


um beijo terno.


p.s. ficarei mais um pouco a encantar-me com o Satie

Pedro Branco disse...

Volta-se o eco e tudo regressa.

C. disse...

memórias das especificidades que presidiram ao momento da concepção. toadas intrínsecas. eternos odores.

sacio e transparente como a água da nascente.

beijos B.

Teresa Durães disse...

sou mãe. às vezes quase desde que me lembro. com ou sem. não na concepção (como diz ali a c.), nessa altura nem reparei :)

noutra, naquela em que chorei silenciosamente os nove meses. sabe-se lá porquê.

Frioleiras disse...

adorei.........

Arion disse...

Mas que impressão que me fazem as imagens, tão belas, ali espalhadas pelo blogue afora, debaixo das letras da coluna da direita, e não o contrário, como eu acho que tu pensas que acontece... Beijo!

jorge vicente disse...

mãe
preciso que o teu cheiro se revele
e se quebre

como um túnel gigantesco
onde pudessem sair todos
os meus desejos

e a dança de todos
os dias

num afecto de dedos
e de mãos

Jorge Vicente

herético disse...

toda nudez será castigada?

Anónimo disse...

Hoje esse grito reflecte-se em mim...
Ele e eu, unificados.
Nesse corpo me transformo,
num boneco articulado...
marioneta clássica,
disforme,
pendente.
Adorei!

Cris!

Bongop disse...

Imagens estão muito fixes, a musica estava desligada como sempre (para evitar ser atingido nos ouvidos por coisas aberrantíssimas que passam aqui nos blogs!)

merdinhas disse...

la petite fille aux grands yeux verts...

era como ele chamava à miséria em que vivia.


às vezes fico a ouvir as músicas mais de uma vez. Como agora.

pentelho real disse...

Um cenário estranho e uma música maravilhosa.

A. disse...

«...quando passas a tua mão na minha cabeça é tudo tão verdade!»






grande B.eijo, minha querida R.

______________________________...

D. Maria e o Coelhinho disse...

what if I was gay?

Haddock disse...

fabuloso!!

as velas ardem ate ao fim disse...

Ecos e mais ecos.

A misica belissima.
bjinhos B

intruso disse...

.................................

...


bjs


[magnifico Satie...
uma das minhas composições preferidas...]