domingo, janeiro 20, 2008






espalham-se os dedos na extremidade da asa. e o desfile caça
como se fosse pele.

o dom da adivinhação é paralelo a si próprio.


não é, mãe?







.

.

22 comentários:

jorge vicente disse...

o dom da profecia. da poesia. é o dom da sibila que fecha os olhos. e os abre quando nos toca.

um abraço
jorge

via disse...

A poesia. reconheceria esta música em francês, em italiano também a reconheço, a mesma poesia?
(Obrigada pelos comentários)

St. J. disse...

a poesia respira, até a dormir...

e ele há asinhas que desfilam que nem poemas...

;)

Bijufa, LoBinha

Ana Paula disse...

Ler poesia, ouvir poesia e procurar o dom da adivinhação mesmo sem o obter... Um instante sedutor que criaste aqui!

Beijinhos amigos, cara B.! :)

Claudia Sousa Dias disse...

Expressiva foto a ilustrar um lindíssimo poema.

Beijo


CSD

maria disse...

é lindo

Presença disse...

Do toque se espalha o adivinho, do desenhar de peles...
coberturas, nuas...

Sim... é!

bjo doce

merdinhas disse...

A L’ECOLE DE LA POESIE ON N’APPREND PAS
ON SE BAT !

Frioleiras disse...

lindíssimo.......como sp!

Profanus disse...

..... nem só , tudo se integra, nada se desagrega, nada.... nada ... procuro unidade, sou retrógrado, fragmento só as vezes não me é alheio---

Os olhos movem-se e vêem no escuro, procuram os objectos de salvação, querem segurança, até que um raio traga luz.... è um instante ....
Voltamos ao prosaico e vencemos a morte com o prazer, instante a instante hora a hora....
profano

profanus disse...

Ça c´est bien , tout à fait d´accord, merdinhas... merci !

alice disse...

às vezes, quando bare assim muito os braços, eu sou tão pequena que me perco. aperte mais um pouco :)

beijinho grande, b. obrigada *

intruso disse...

(quase podia pensar que tudo é paralelo a si próprio/mesmo.....)


a poesia a pairar aqui...


:)


beijo

Haddock disse...

estranha anatomia da poesia...
quase dá vontade de a dissecar.
a ciência é compatível?

Anónimo disse...

e Profanus...dixit:
"Os olhos movem-se e vêem no escuro, procuram os objectos de salvação, querem segurança, até que um raio traga luz...."

_____________não há mesmo "ciência" que não atenda a tanto...:)

pois não?

é...sim!


beijo.

et on dance...sur les vagues..



imf.
piano!!!

pn disse...

1) o desfile dos dedos é afago?

2) a pena é asa?

3) os augúrios nos voos das aves lidos são verticais ascendentes?

4) o paralelo, só nas vísceras?

5) que forma de orar é a ret'órica?

triliti star disse...

aqui, um bom casamento a três: imagens, palavras, música.

hfm disse...

e perguntamos sempre...

MEColares disse...

muito bom, grande Ferré! E fumava que nem um cavalo!
bjs

ContorNUS disse...

Lindíssimo poema ...acompanhado das imagens que maravilhosamente o ilustram

Parabéns...que continues plena de magia nas sílabas

alice disse...

é impressão minha ou a menina anda preguiçosa? favor não nos privar da sua companhia, sim? agradecida!

beijinhos e bom fim de semana *

Adriana disse...

Muito bonita a poesia.Torna-se leve como sopro do vento.