quinta-feira, novembro 27, 2008
































engano-me.

sou um macaco ou um absurdo.
uma ideia de desejo em escuta tardia.

o hálito do inverno geograficamente delirante.








24 comentários:

intruso disse...

geograficamente delirante, como convém
(ou não...)

da tranformação das coisas,
que o 'para sempre' não existe.


belíssimo



beijo

Anónimo disse...

que ledo engano....

Anónimo disse...

esqueci-me de «iniciar» no comentário anterior («iniciar»=deixar as iniciais).
E, já que aqui estou, passo a especificar melhor o que queria dizer, há atrasado:
1. ver estas fotos deu-me vontade de ir buscar a minha velha zenith, companheira de tanta cor e de tanto preto e branco tornado sépia... deu-me vontade de voltar a fazer revelação de fotografia (a preto e branco, claro)
2. boa música para acalmar das agruras do dia. Os meus ossos agradecem.
3. o teus textos... o vinho do porto... tu... etc...
4. Intruso, permita-me que discorde. Na minha opiniáo, «para sempre», existe mas... é muuuuuito tempo. Não há quem tenha paciência para tanto :-)
Boa noite
of

hfm disse...

"uma ideia de desejo em escuta tardia. "

gravei-a em mim.

isabel mendes ferreira disse...

bahhhh....


de Mário Cesariny!!!!

.


um desejo de resguardo tardiamente invernoso.

a tua geografia é um pico....alto!

e a escalada faz-se deitando fora o absurdo!..

beijo Pin.

firmina12 disse...

gostei muito

jorge vicente disse...

o cálido inverno sempre na pele.

ou serão as neves de verão?

um beijinho
jorge

O Intelectual Distraído disse...

Profundamente profundo.
Mais nada a dizer....
Leia-se como se digere
lentamente

heretico disse...

"ideia de desejo" mais que desejo... independente mente da escuta. tardia ou remoçada,

agrada-me a ideia.

beijos

maria josé quintela disse...

delirante guarda-roupa!


.


menos absurdo



e mais hálito de inverno.



digo eu!(que não entendo nada de geografia)



abraço.

tolilo disse...

Tia Bandida,

Gostei tanto, tanto das tuas palavras!

E da música também!

(a minha tia Lígia gosta muito de Chopin e costumo ouvi-lo com ela).

Hoje de manhã, iamos de carro e o Rui Viera Nery - um Tio meu muito querido - também nos fez deliciar com Chopin, um Chopin não tão doloroso, mais ensoalheirado, mas que parecia sair do arvoredo circundante ao Palácio da Fronteira - iamos perto quando o ouvimos - e nestes dias de chuva
solta
que bem sabe ouvi-lo ...

Agora, à tarde, vim visitar-te e ouço-o outra vez!

Gostei tanto!
Tanto!


Chuac!_

Frioleiras disse...

Lendo os comentários não percebi se as "palavras" são tuas ou de Cesariny.

Se são de Cesariny...não conhecia, como aliás pouco dele conheço...



De todo o modo dizem bem com o Heumann...


Mas,
na minha fraca opinião,
não os "juntava" ao Chopin...

(Chopin,
para mim,
nunca é negro... ´

É triste mas não revoltado...
É de um azul noite,
belo muito belo,
que de quando em vez,
alterna com
um azul caiado............)


bj........

Pepita Freak disse...

Lugar comum. Fastio.

Eduardo Serra Lopes disse...

gostei do verso final..a conclusao é sempre o mais dificil.

um bj, colega

Haddock disse...

antes de mais, bandida, os nossos pêsames... ou não.
sempre gostámos da poesia da frase feita: "descansa em paz"...

"D.E.P."...

parêntese: e, mal perguntemos, por que motivo não se usará essa inscrição nas nossas lápides quotidianas?? preconceito anglicóidail?? parêntese

e acompanhamos o cortejo fúnebre de óculos escuros e cabeça baixa para melhor resistir aos gracejos vizinhos sobre o defunto... - presumível macaco - que perdeu o sul no delírio da conquista de continentes estranhos pela arte de curar absurdos.

haja respeito!!

(... pelas missões impossíveis!!)

Mar Arável disse...

As fotos sugerem

desejos

mais ou menos profundos

nunca perenes

para não castigar o tempo

pront'habitar disse...

e um ampara mamas transformado em frágil armadura derrubada aos acordes de chopin...

pn disse...

Há peças do vestuário feminino que até se conjugam:
Je soutiens, tu soutiens, il soutient...

Quanto à camisa, hum! não me parece:
Je chemise!!!

Salta cá para cima, a saberes do bafo invernal.
Falas (será feminino?) e ficam as palavras tesas no ar...

(As vogais geladas, pendem as consoantes lívidas)

heatchcliff disse...

um pouco freak...
engano-me?

Donnola disse...

na dúvida sou doninha :P

via disse...

isto é triste triste mas soutiens...como se dirá em português??

pinky disse...

não sei porquê mas as palavras inverno e delirante na mesma frase não me fazem muito sentido.
opssssssssssss já sei porquê.. inverno arghhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

pinky disse...

não sei porquê mas as palavras inverno e delirante na mesma frase não me fazem muito sentido.
opssssssssssss já sei porquê.. inverno arghhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

TCHI de Tchivinguiro disse...

É por isso que eu não tenho guarda-roupa. Poupa-se tempo tendo tudo à mão. Arejares daqui, sem cruzeta.

:)

Geograficamente artístico.

aBraçooooooooooooooooooooo